0 Gardados para despois

Joám Lopes Facal

De como o rio Manzanares se disfarçou de galego para lhe cobrar a Portugal a factura eléctrica

Linhas de força da Galiza-Sul (3): De como o rio Manzanares se disfarçou de galego para lhe cobrar a Portugal a factura eléctrica.

Desculpade a burla que serve de subtítulo esta nova ficha de umha linha de força mais do campo gravitacional que conecta Galiza com Portugal. Espero que acabedes julgando-a merecida e mesmo benévola de mais. Falamos das trocas eléctricas da Galiza com Portugal.

Galiza exportou nesse ano 7.034 GWh com destino a Portugal além de 1.880 GWh adicionais netos enviados ao resto de Espanha, sobre umha produçom eléctrica de 28.918 GWh

Levo anos redigindo a crónica industrial inserta no Anuário Económico que publica o CIEF da extinta Fundaçom Caixa Galicia. Está para sair nestes momentos o seu número vinte e oito consecutivo. Na crónica, sob a minha responsabilidade, nunca esqueço analisar um traço altamente característico do sistema eléctrico galego: a sua forte componente exportadora.

Segundo os dados fornecidos pola operadora do sistema eléctrico espanhol, a REE, para 2012, Galiza exportou nesse ano 7.034 GWh com destino a Portugal além de 1.880 GWh adicionais netos enviados ao resto de Espanha, sobre umha produçom eléctrica de 28.918 GWh.

A produçom eléctrica espanhola no ano 2012 ascendeu aos 278.049 GWh, cumhas exportaçons totais de 11.200 GWh, 7.034 GWh das quais de procedência galega e destino Portugal.

Corolário 1º: a Galiza exporta 31% da sua produçom eléctrica, e a destina a Portugal. Espanha, exporta apenas 4 % da sua produçom.

Corolário 2º: Galiza fornece 80% das exportaçons eléctricas de Espanha. A Comunidade de Madrid é, por certo, um voraz sumidouro eléctrico que absorve cada ano o equivalente à totalidade da produçom eléctrica galega. O seu consumo alcaçou os 28.943 GWh em 2012

As empresas eléctricas proprietárias das instalaçons galegas tenhem sede em Madrid por cujo motivo lhes som imputadas a quase totalidade das exportaçons do sistema eléctrico galego

A graça da contabilizaçom dos excedentes eléctricos em Espanha reside em que as empresas eléctricas proprietárias das instalaçons galegas tenhem sede em Madrid por cujo motivo lhes som imputadas a quase totalidade das exportaçons do sistema eléctrico galego.

Numha espécie de metáfora energética política, a bulimia capitalina transmuta-se por obra e graça da estatística (a etimologia da palavra aponta claramente à sua raiz estatal) de recadadora impenitente e insaciável em magnánima provedora de todo bem. Destarte, a carenciada comunidade madrilena devém campeã do quilovátio. As estatísticas oficiais do comércio externo confirmam tam peregrina imputaçom, como é possível comprovar, atribuindo à comunidade madrilena as exportaçons eléctricas com destino a Portugal, por valor de 208,5 milhons de euros (81,3 % do total) contra apenas 0,7 milhons imputados à Galiza. A Galiza é irrelevante nas estatísticas oficiais de comércio eléctrico exterior.

A realidade adoita mascarar-se ou distorcer-se por causa dos padrons interpretativos em uso, a maioria com dono conhecido

A realidade adoita mascarar-se ou distorcer-se por causa dos padrons interpretativos em uso, a maioria com dono conhecido. Pensemos nas estatísticas, nos tratamentos jornalísticos, nos paradigmas académicos. A superposiçom de categorias técnicas (produçom e distribuiçom) e institucionais (sede corporativa, e regime de propriedade) produz, desta maneira, resultados tam chocantes como este capaz de transmutar umha mercadoria estritamente galega em admirável exibiçom de poderio corporativo centralista.

CC.AA. Exportaçons
Madrid 208,48
Cataluña 13,8
País Vasco 9,13
Andalucía 8,45
Castilla y León 7,25
Aragón 4,04
Asturias 1,26
La Rioja 1,16
Extremadura 0,95
Cantabria 0,89
Galicia 0,67
Resto 0,44
Milhons de euros 256,52

Exportaçons de energia eléctrica Espanha-Portugal em 2012

Umha linha de força que liga Galiza com Portugal devém por obra e graça da imputaçom estatística atributo económico indiscutível desse território extra regio que chamamos Madrid.

O velho solar galaico, tantas vezes mascarado polo jogo de espelhos dos Estados peninsulares assiste sem se importar a tam admirável escamoteio

O velho solar galaico, tantas vezes mascarado polo jogo de espelhos dos Estados peninsulares assiste sem se importar a tam admirável escamoteio. Mas, reparemos, o fenómeno comporta um impacto tributário adverso para Galiza que qualquer modelo de federalismo fiscal deverá abordar e devemos exigir.

Também haverá de considerar-se o impacto económico e ambiental que a geraçom eléctrica provoca e permite transmutar em impolutos lucros atribuídos às sedes corporativas centrais os custos da degradaçom ambiental que Galiza suporta.

Acerca de Joám Lopes Facal